Resultados e eficácia

Leitzke e Belora realizaram um estudo com 150 pacientes com idades entre 2-15 anos com fimose que fizeram uso de POSTEC® 3 vezes ao dia por 3 semanas. Houve uma resposta positiva com exteriorização total ou parcial da glande em 83,74 % dos pacientes.Os autores concluiram que POSTEC® foi uma opção de tratamento eficaz e seguro para fimose e bem aceita pelo paciente e seus familiares. (Leitzke L, Martinez P, Bellora R. Tratamento conservador da fimose com pomada de betametasona e hialuronidase. Pediatria Moderna 2005; XLI (1): 23-6.)

Estudo de Vilela e col. foi realizado em 48 crianças com fimose verdadeira, com idades entre 2 a 13 anos. Foi utilizado POSTEC® 2 vezes por semana por apenas 3 semanas e foi avaliada a abertura completa do anel fimótico nos 1º, 2º e 3º meses de tratamento, sendo considerada como critério de cura. Ao todo 34 pacientes aderiram ao tratamento. As crianças mais velhas apresentaram uma taxa de cura mais alta logo após o primeiro mês de tratamento (71 % das crianças de 9-13 anos se curaram no 1º mês). O estudo mostrou uma associação entre adesão ao tratamento e resultado positivo ( p< 0,0001) . O estudo conluiu que POSTEC® se mostrou uma terapia conservadora eficaz para o tratamento da fimose, sem efeitos adversos e com uma taxa de cura mais elevada entre as crianças mais velhas (Vilela D B, Bastos C et al. Tratamento da fimose com corticoesteroide tópico. Sociedad Latinoamericana de Investigacion Pediatrica 2005).

Um outro estudo foi realizado por Macedo e col. em 234 pacientes entre 3-10 anos com indicação de postectomia. Cento e dezessete pacientes fizeram uso de POSTEC® 1 vez à noite por 4 semanas e 117 pacientes o utilizaram por 8 semanas.Um investigador avaliou e fotografou mensalmente os pacientes e outro investigador registrou a informação. Como conclusão do estudo, a pomada POSTEC® foi eficiente em 42,5 % dos pacientes após 4 semanas e em 63,15 % dos pacientes após 8 semanas com uma retração completa e fácil do prepúcio, mantendo seu resultado favorável em 88,4 % dos pacientes seguidos por uma média de 4,5 meses sendo, portanto, um tratamento tópico de valia antes da postectomia. (Macedo A, Nobre Y, Freitas R et al. Phimosis treatment with topical steroids in 234 children: will the circumcision be coming to the end? J. Ped. Urol.2005 ; 1 (3): 214)

Estudo realizado por Palma e Dambros avaliou 100 pacientes com idade média de 10,2 anos .Foi utilizado POSTEC® 2 vezes ao dia por 1 a 2 semanas. O estudo demonstrou uma eficácia em 90 % dos pacientes , com retração fácil do prepúcio e sem efeitos adversos significativos. Os autores concluiram que Postec® é uma opção de terapia conservadora na fimose , mesmo em idade adulta. (Palma PCR, Dambros M. Betametasona associada à hialuronidase: Uma alternativa eficaz no tratamento conservador da fimose. Urologia Panamericana, Revista Oficial de la Confederación Americana de Urologia 2001; 13 (1): 43-5.) Freitas e col. realizaram um estudo clínico prospectivo, randomizado, cego com 427 pacientes com idade entre 3-10 anos de idade. Duzentos e catorze pacientes com fimose fizeram uso de POSTEC® uma vez à noite por 4 semanas e 213 pacientes por 8 semanas.A glande dos pacientes foi fotografada mensalmente e por pelo menos 6 meses para permitir uma avaliação objetiva do tratamento. Quando houve exposição completa da glande, foi considerado sucesso terapêutico total, exposição de metade da glande foi considerado sucesso parcial e exposição < 50 % ou ausência da mesma, falha terapêutica.

Os resultados do estudo demonstraram que 92,1 % dos pacientes apresentaram sucesso total ou parcial e 29,5 % não mantiveram este sucesso no follow-up por 6 meses. Os 2 grupos apresentaram parâmetros similares estatisticamente mas o tempo de tratamento de 8 semanas , exposição prévia do meato uretral e ausência de balanopostite aumentou a chance de sucesso terapêutico. Não houve necessidade de intervenção ou interrupção do tratamento. Os autores concluíram que o tratamento com POSTEC® por 8 semanas , com apenas 1 aplicação noturna, foi seguro e eficaz. (Freitas R G, Nobre Y D et al .Topical treatment for phimosis: Time span and other factors behind treatment effectiveness. J. Ped. Urol. 2006; 2: 380-5.)